Um brasileiro na história do Facebook

0

Por Rafael Sbarai

O brasileiro Eduardo Saverin é uma figura rara na web. Sua presença virtual é praticamente nula: seus perfis no Facebook e Linkedin são desérticos. No entanto, ele pode ser considerado um dos grandes responsáveis pela evolução na internet por ter participado da criação de um de seus maiores fenômenos.Poucos sabem, mas o economista, hoje com 35 anos, é um dos cofundadores do Facebook, a maior rede social do mundo, e o maior desafeto de Mark Zuckerberg, comandante do site. Para o escritor Ben Mezrich, autor do livro que deu origem ao filme A Rede Social, Saverin é um bilionário por acaso.

Saverin é resistente à imprensa. Os detalhes de sua batalha jurídica contra Zuckerberg são um segredo. O limitado histórico que se tem dele esteve nos cinemas, quando entro em cartaz A Rede Social.

Saverin é de família rica. Nasceu em 1982, em São Paulo. No início da década de 90, mudou-se com a família para os Estados Unidos por uma razão inusitada, segundo Mezrich: descobriu que seu nome estava em uma suposta lista de “sequestráveis”. Em 2003, iniciou o curso de economia na Universidade de Harvard. Ali, conheceu Zuckerberg, aluno de ciência da computação, considerado por muitos um gênio. A amizade levou ao projeto do Facebook.

O lançamento do “TheFacebook”, como era conhecido inicialmente, foi bombástico. Em menos de um dia, o site atingiu a marca de mais de 1.000 acessos – fato que animou os dois jovens. Eram necessários mais investimentos para angariar mais adeptos. Saverin foi o banco de Zuckerberg. Segundo documento do próprio Facebook, “Saverin administrou o desenvolvimento de negócios e aspectos comerciais da rede social em seus primeiros anos”.

O negócio, que tinha o único objetivo de conectar estudantes da universidade, foi além. Superou qualquer expectativa. Na mesma proporção, iniciaram os atritos entre os criadores: Zuckerberg almejava novos usuários; Saverin, investimentos.

Sem um acordo sobre o caminho a ser trilhado, Saverin decidiu deixar a empresa e finalizar a graduação em Harvard. Zuckerberg, por sua vez, abandonou de vez o curso e, incentivado por Sean Parker, cofundador do Napster (site que fornecia músicas para download gratuito na internet e que foi tirado do ar pela Justiça americana), mudou-se para a Califórnia para se dedicar exclusivamente ao Facebook.

Mais tarde, Saverin foi processado pelo Facebook por interferir nos negócios da empresa. Segundo relatos de Bilionários por Acaso, Zuckerberg queria diminuir a participação do brasileiro nos ganhos totais: de 24% para 0,3%. Saverin, perplexo com a atitude do ex-amigo, reagiu: abriu processo contra a empresa – vencendo, posteriormente. Hoje, Saverin detém 5% do Facebook, o que lhe credencia a integrar o posto de 356º homem mais rico do mundo, com uma fortuna estimada em 1,15 bilhão de dólares, segundo a Forbes. Zuckerberg, com 6,9 bilhões de dólares, é o 35º, à frente de poderosos da tecnologia como Steve Jobs (42º).

Desde a vitória judicial, Saverin apareceu publicamente uma única vez. Em outubro de 2010, publicou suas impressões sobre o filme A Rede Social. Hoje, é a negação da rede que ajudou a construir: é um antissocial. O antissocial mais procurado na web.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here