Sete cervejas bem invocadas

0

Se você acha que adicionar frutas, nozes e outras especiarias é o bastante para deixar uma cerveja bem diferente do tradicional, saiba que a criatividade dos cervejeiros já desenvolveu receitas bem mais inesperadas. Desde alho e tomates, até um viagra natural e um composto da Cannabis, essas sete cervejas incluem ingredientes nada convencionais. Confira:

Pizza líquida

A Mamma Mia! Pizza Beer foi inventada quase por acaso. Tom e Athena Seefurth, os criadores, gostavam de preparar cervejas em casa. A primeira “pizza beer” foi uma Saison produzida com uma erva de cada tipo que eles tinham no jardim: sálvia, alecrim, manjericão, orégano e hortelã fresca.

No ano seguinte, o casal norte-americano produziu uma cerveja para ser harmonizada especificamente com pizza, então adicionaram à receita manjericão, orégano, tomate e alho. Segundo Tom, a cerveja pode ser harmonizada com cachorros quentes, salsicha, alimentos de origem italiana, peixe frito e camarão. Também pode ser usada para temperar frangos, ou usada para fazer canapés com cerveja.

Bacon engarrafado

Se bacon e cerveja podem ser bons separados, imagine juntos. A cervejaria norte-americana Rogue é a responsável pela produção (atenção, o nome é grande) da Voodoo Doughnut Bacon Maple Ale. De estilo Brown Ale, a Bacon Maple Ale tem uma cor âmbar e aroma adocicado, balanceado pelo sabor picante de bacon defumado.

Segundo a cervejaria, a Bacon Maple Ale é ideal para harmonizar com sobremesas, rosquinhas e, é claro, porco.

Barba, cerveja e bigode

Outro rótulo da cervejaria Rogue, a Beard Beer é feita com um ingrediente bastante peculiar. É produzida com uma levedura criada a partir da barba do mestre cervejeiro John Mayer. Ninguém precisa surtar: cervejeiros usaram leveduras selvagens na fabricação de cerveja durante séculos.

John mantém a mesma barba desde 1978 e há mais de 18 mil cervejas, por isso, diz a Rogue, “não é uma grande surpresa que um fermento natural para a fabricação de cerveja tenha sido descoberto em sua barba”. De estilo American Wild Ale, combina com carnes de gado, sobremesas, pato e porco.

Vai um leite?

Produzida pela cervejaria japonesa Abishiri Brewery, a Bilk é uma cerveja com leite. A ideia surgiu para tentar aproveitar o excedente de leite que acabaria sendo jogado fora pelos produtores de Hokkaido, segunda maior ilha do arquipélago japonês.

Como o leite tem baixo ponto de ebulição, a cervejaria controla a temperatura durante o processo para que o leite não ferva. Depois, acrescenta levedura de cerveja e lúpulo e começa o processo de fermentação. A bebida tem um gosto frutado.

Viagra natural

Maior cervejaria independente da Escócia, a BrewDog lançou em 2011 uma edição limitada da Royal Virility Performance, cuja receita continha o chamado viagra natural (composto de ervas que teria o mesmo efeito do remédio) e outros afrodisíacos. A edição especial foi produzida no embalo do casamento real do príncipe William e Kate Middleton, em abril daquele ano.

De acordo com a cervejaria, a Royal Virility Performance continha viagra natural, chocolate, horny goat weed (tipo de suplemento natural cuja função é aumentar a potência sexual) e uma “dose saudável de sarcasmo”. De estilo India Pale Ale (IPA), foi vendida online na data do casamento real, e a BrewDog enviou uma garrafa inclusive ao Príncipe William.

Peixe, isso mesmo

Geralmente, peixe não é o primeiro alimento que vem à cabeça quando se pensa em bons ingredientes para misturar com cerveja. Pois a Tosa Kuroshio Karyudo Beer é uma cerveja fabricada na cidade de Konan, no Japão, exatamente com este ingrediente.

A cerveja de peixe tem 5% de teor alcóolico e contém farinha de arroz e lúpulo. Os cervejeiros adicionaram dashi, caldo de peixe também usado em sopas tradicionais japonesas. O dashi é feito a partir da combinação de algas e Bonito, uma espécie de peixe semelhante ao atum.

Cânhamo, isso mesmo

A cervejaria californiana Humboldt Brewing produz a Hemp Ale, cerveja de estilo Brown Ale fabricada com sementes de cânhamo tostado que, segundo os produtores, adicionam um sabor de ervas à bebida. De cara, a cervejaria deixa claro que a bebida não é produzida com maconha, mas com cânhamo, e explica a diferença:

“Cânhamo é um termo usado para designar os produtos derivados da planta Cannabis, o que inclui fibras, óleo e sementes. As cepas de cânhamo da planta Cannabis têm porcentagem tão baixa de tetraidrocanabinol (THC) que não podem afetar o comportamento”.

E continua: “Ninguém pode ficar chapado bebendo a Hemp. Você só vai viajar no sabor. E talvez ficar um pouco tonto, mas isso é por causa do álcool”. De estilo American Brown Ale, a Hemp Ale já ganhou quatro prêmios no mercado cervejeiro.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here