Pirarucu, outro abestado

0

Fevereiro de 1968. Magro, alto, bem-apessoado, José Carlos Azevedo, o “Zé da Voz”, lembrava um pouco o ator Clint Eastwood em início de carreira. Ele ganhara esse apelido porque era o principal animador e DJ da Voz Continental, localizada em um pequeno quiosque no cruzamento das ruas Urucará e J. Carlos Antony, na Cachoeirinha.Zé da Voz era parceiro de gandaia de João Carlos Weil, o “Bazam”, irmão mais velho de Antídio Weil, e de Bobby Nelson, irmão mais velho de Alberto Gordo, ex-diretor do Sindicato dos Metalúrgicos. Eles formavam um trio da pá virada.

Quando estava cheio da manguaça, o que não era novidade, Zé da Voz andava devagar como quem procura, com os pés, um penico no escuro. Já Bobby Nelson e Bazam, no mesmo estado, andavam ligeiro que só peba em areia frouxa. A irmandade dos três vinha de um fato em comum: ambos gostavam do cigarro de índio.

Uma noite, logo após deixar os estúdios da Voz Continental, Zé da Voz foi abordado pelo Aderbal Pirarucu: ele havia recebido uma erva de Maués que era “só camarão” e convidou o locutor para experimentarem o produto.

Os dois se embrenharam no matagal existente atrás do Sanatório Adriano Jorge e começaram a apertar um “fino” atrás do outro.

Zé da Voz e Pirarucu estavam ali, observando as estrelas junto à fogueirinha de papel, quando, subitamente, estacionou um carro da rádio patrulha na Rua Codajás e dois meganhas armados de trêsoitão entraram correndo no mato em direção à dupla.

Desconfiado como cachorro que quebrou louça, o primeiro policial foi logo pagando geral:

– O que qui vocês dois estão fazendo aqui nessa escuridão, seus filhos da puta! Falem logo, se não eu vou atirar!

O galã Zé da Voz, com a calma de um experimentado rastafári, tentou contemporizar:

– Que é isso, meu amigo? Eu vim aqui só fazer uma caridade pro meu parceiro. Eu estava apenas comendo o cuzinho dele e isso não é crime…

Ouvindo aquilo, Pirarucu deu um pulo:

– Que comendo meu cu o que, porra? Eu sou sujeito homem! Jamais gostei de pica! Fala a verdade, porra, fala a verdade! A gente estava mesmo era fumando maconha!

Os dois foram em cana. Dar o cu não era crime, mas fumar maconha era.

Pirarucu era outro abestado.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here