O maior Judas do mundo e a filosofia de Paulo Mamulengo

0

Em abril de 1998, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), do Distrito Federal, promoveu no sábado, 11, a malhação de Judas na Praça dos Três Poderes, em Brasília, com um boneco de 12 metros representando o presidente Fernando Henrique Cardoso. Foram gastos 120 metros de tecido, isopor e espuma.

Ao lado do boneco de FHC estavam “sete anões” – políticos que apoiaram a aprovação das reformas administrativa e da Previdência daquela época (sim, o Brasil continua sendo um museu de grandes novidades. Fazer o que?).

Os bonecos custaram R$ 10,8 mil (ou R$ 32 mil, em valores de hoje). O dinheiro foi arrecadado entre os sindicatos filiados à central.

A CUT tentou incluir o boneco de FHC no Guiness, livro que registra os recordes mundiais, como “o maior Judas do mundo”, mas não obteve êxito porque não havia tal categoria.

O responsável pela confecção dos bonecos foi o onipresente Paulo Mamulengo, que faleceu nesta terça-feira, 18, em Brasília (DF).

Na foto lá de cima, Paulo descansa seus glúteos na cara do FHC, ainda na fase de pré-produção da encomenda.

Na foto abaixo, o boneco de FHC já em traje de gala e pronto para ser malhado.

Quatro anos depois da presepada, em setembro de 2002, Paulo Mamulengo estava se formando em Filosofia, na Universidade Federal do Amazonas, e era presidente do Centro Acadêmico Filosófico e Cultural do Amazonas (Cafca), o pomposo nome do centro estudantil da faculdade.

Durante a 10ª Semana de Filosofia, realizada no ICHL, uma repórter da TV Amazonas resolveu entrevistá-lo em tempo real, sem cortes ou edição:

– Eu estou aqui com o estudante de Filosofia Paulo de Tarso, atual presidente do centro acadêmico de Filosofia, que vai falar sobre a importância deste evento para a Universidade Federal do Amazonas. Bom dia, presidente! Para começar, uma pergunta: como está atualmente o curso de Filosofia? – começou a repórter.

– Por mim, esse curso já devia ter sido fechado há muito tempo! – respondeu Paulão, sem disfarçar a irritação.

– Mas como assim, ser fechado?… – questionou a repórter.

– É evidente, minha filha. É impossível um curso de Filosofia sem filósofos! – afirmou Paulão. – Acompanhe o meu raciocínio…

E o bonequeiro liberou sua verve:

– O chefe do Departamento de Filosofia se chama Guaraciaba Tupinambá. Isso é nome de filósofo? – indagou Paulão. E ele mesmo respondeu: – Não, claro que não. Isso é nome de puxador de toadas ou de pajé de boi-bumbá de Parintins…

A repórter ficou muda. Paulão continuou:

– A coordenadora do curso se chama Marilina. Isso é nome de filósofa? Não! Isso é nome de gordura saturada. Você chega numa mercearia e diz: – Me vê oito pães franceses e dois tabletes de marilina.

A repórter continuou muda. Paulão foi em frente:

– O coordenador de Filosofia Antiga se chama Deodato. Isso é nome de filósofo? Não. Isso é nome de remédio pra escabiose. Você chega na farmácia e diz: – Me arruma um frasco de deodato de benzila pra eu matar essa curuba da muléstia!

A repórter continuou muda. Paulão continuou matando a cobra e mostrando o pau:

– O chefe do Departamento de Filosofia Moderna se chama Paulo Monte. Isso é nome de filósofo? Não. Nome de filósofo é Heráclito de Éfeso, Zenão de Eléa, Tales de Mileto… Paulo Monte de quê?… Só se for de bóstia…

A repórter encerrou a matéria no maior sufoco, querendo se esconder no primeiro buraco disponível.

Professor de Filosofia Comparada, Alderi Marques, que havia assistido à polêmica entrevista pela televisão, ficou puto. Na primeira oportunidade, peitou o desabusado aluno:

– Pô, Paulo, sacanagem! Você usou o espaço nobre da rede Globo pra esculhambar com a nossa honrada universidade…

– Olha, bicho, fica frio porque eu livrei a tua cara! – avisou Paulão.

– Livrou minha cara uma porra! – devolveu Alderi.

– Livrei sim, bicho! – explicou Paulo Mamulengo, sem se alterar. – Primeiro que Alderi não é nome de professor de Filosofia. Alderi é nome de dama fuleira. Procê ter uma ideia, só lá em Picos, no Piauí, eu comi duas quengas chamadas Alderi e não paguei um tostão…

O professor Alderi quase partiu para a ignorância.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here