Jairo Beira-Mar e a caixinha de guerra do cabo Macaxeira

0

Setembro de 1976. Pai do adolescente Clemilton “Peara”, que muitos anos depois seria diretor de bateria do GRES Mocidade Independente de Aparecida e da Batucada do bumbá Garantido, o empresário Franciner Pinto vivia incomodado com a roda de pagode que os meninos do Morro da Liberdade faziam no meio da rua.

Dono de uma conhecida padaria na Rua Dr. Martins Santana, “seu” Franciner cismou que a barulheira dos pagodeiros estava afastando a clientela do seu ponto comercial e começou a criar caso com a rapaziada.

Certo dia, mais puto do que de costume, ele ligou para a Polícia Militar e denunciou que a baderna dos meninos já estava passando dos limites. Nesse dia, por incrível que pareça, começou a cair uma chuva torrencial e os pagodeiros, para não deixar o samba morrer, compraram uma caixa de Caninha 51.

A “mardita” era servida em um único copo, daqueles reaproveitados de embalagem de azeitonas, passado de mão em mão. O lance era jogar a branquinha no bucho e tirar gosto com careta, porque a outra alternativa seria morrer de frio. O pagode estava ficando mais quente do que nunca.

De repente, chega um “fusquinha” da Rádio Patrulha. O soldado-motorista baixou um pouco o vidro, para não se molhar, e começou a chamar um dos pagodeiros. Eles não deram nem confiança. Um segundo soldado começou a fazer coro com o primeiro. Os pagodeiros, nem aí.

Maior autoridade dentro do carro, o cabo arrumou a arma no coldre, saiu do veículo, enfrentou o vendaval e foi lá na roda de pagode, conversar com os baderneiros. Ele nem chegou a abrir a boca:

– Êi, pessoal, esse aqui é o cabo Macaxeira, o rei da caixinha de guerra. Traz logo uma aqui pra ele mostrar seu talento! Aproveita e capricha também numa dose de pinga, que ele é um dos nossos! – avisou Jairo Beira-mar.

Apanhado no contrapé, o cabo sorveu a pinga de uma só lapada, pegou a caixinha de guerra e começou a estraçalhar. Cinco doses de pinga depois, já meio grogue, Macaxeira foi lá no carro da Rádio Patrulha e deu a ordem:

– Avisa pro Comando-Geral que já resolvemos a situação! Depois, desliguem o rádio e vamos cair na farra que todo mundo aqui é sangue-bom!

Os dois outros soldados nem titubearam. Em dois minutos, completamente encharcados de chuva e cachaça, os três militares estavam participando da mais animada roda de pagode de que se tem notícia naquele sábado chuvoso.

“Seo” Franciner nunca mais confiou na Polícia.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here