Índio quer apito

0

A marchinha “Índio quer apito” é uma das músicas mais tocadas nas ruas do Brasil durante o carnaval. Segundo o cantor baiano Walter Levita, numa visita a uma comunidade indígena na Ilha do Bananal, no início dos anos 60, a esposa do então presidente Juscelino Kubitschek, Sarah Kubitschek, havia levado muitas bugigangas para agradar os índios.

Na hora em que ela tentava colocar um colar no pescoço do chefe índio (que era bem mais alto do que ela), a primeira-dama soltou um sonoro “pum”.  Aí o chefe, inocentemente, ou sacanamente, teria dito a famosa frase que passaria a circular no anedotário carioca.

Em 1961 os dois excelentes compositores carnavalescos, Haroldo Lobo e Milton de Oliveira, aproveitando essa fofocaria do povo, driblaram a censura lançando a maliciosa marchinha “Índio quer apito”:

Ê, ê, ê, ê, ê, índio quer apito / Se não der, pau vai comer! / Ê, ê, ê, ê, ê, índio quer apito / Se não der, pau vai comer! / Lá no bananal mulher de branco / Levou pra índio colar esquisito / Índio viu presente mais bonito: / “Eu não quer colar! Índio quer apito!” / Ê, ê, ê, ê, ê, índio quer apito / Se não der, pau vai comer! / Ê, ê, ê, ê, ê, índio quer apito / Se não der, pau vai comer!

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here