Galinha voa ou não voa?

0

Por Luiz Carlos Miele

Elis com Miele & Bôscoli no Teatro da Praia. Era o título do espetáculo com o qual iríamos inaugurar o teatro. Como esse show, segundo a crítica, “Elis deu o salto”. Ela dançava, sapateava, fazia humor, e principalmente, é claro, cantava.No começo era para ser apenas uma performance dela, mas Elis pensou em trocar de roupa entre alguns números, e Ronaldo sugeriu que eu entrasse no palco e contasse uma história qualquer. Bem, eu entrei e contei a primeira, a Elis se divertiu muito, sugeriu outras participações minhas, e eu acabei quase dividindo o show com ela, o que considerava um absurdo, em face da condição de estrela que ela tinha.

Mas era tudo uma grande festa, entre mim, Elis, Ronaldo, Menescal e o conjunto, e acredito que isso tenha sido passado para o público, pois ficamos em cartaz durante nove meses, cinco no Rio, quatro em São Paulo, no Teatro Maria Della Costa. Durante esse período, fomos a segunda bilheteria da cidade, perdendo apenas para a peça Hair, que era uma superprodução.

Mas a nossa “produção” começou de uma maneira muito irresponsável, como era a nossa vida. O prédio onde de instalava o Teatro da Praia, no Rio de Janeiro, estava ainda em fase final de construção. Eram treze andares inacabados e, na cobertura, eu e Ronaldo instalamos um precário local de trabalho, pois tínhamos que acompanhar de perto os detalhes de acabamento do teatro.

Algumas caixas de cervejas faziam às vezes de cadeiras (é claro que nós mesmos esvaziávamos as caixas, pois, afinal, tínhamos que sentar em algum lugar). Aquela tampa de mesa com cavaletes, um fio de telefone de vinte e cinco metros que vinha do andar de baixo e, para completar a decoração, montes de areia, pilhas de tijolos, sacos de cimento, ferramentas etc. Um luxo.

Uma tarde, em meio ao sagrado e sofrido processo de criação artística, toca o telefone. Enquanto Ronaldo pensava em como Elis ficaria maravilhosa vestida de Carlitos, eu atendi.

– Monsieur Miele está, por favor? Aqui é da presidência da Air France.

Como, pelo menos para a Air France, eu não devia nada naquela época, estranhei um pouco, mas ela (a voz com sotaque), explicou:

– Aqui é a secretária de mosieur Joseph Halfin, o presidente da companhia, que quer conversar com os Senhores Miele & Bôscoli.

Enquanto eu chamei a atenção do segundo dos “senhores”, que era o Monsieur Bôscoli, o presidente foi me explicando que havia ouvido boas referências sobre o nosso projeto e, como já era um grande fã de Elis, gostaria de estudar a possibilidade de o nosso show fazer o encerramento da festa de entrega do prêmio Moliére aos laureados do ano em teatro e cinema no Brasil.

Era uma oportunidade excepcional. Até então, o prêmio era encerrado com todas as estrelas da TV Record, mais de dez artistas se apresentando, e depois de nós, os grandes astros franceses, como Legrand, Aznavour, Becaud, Distel, Montand vieram como as grandes atrações.

Ainda um pouco assustado, pergunto como iremos nos encontrar, e aí começa uma das aventuras mais absurdas da dupla Miele & Bôscoli.

Eu:

– Ronaldo, é o presidente da Air France que quer comprar o show e vir ao Rio para tratar do assunto, pessoalmente, em nosso escritório.

Ronaldo:

– Chuta que o nosso escritório está sendo reformado lá na avenida Rio Branco, avisa que os móveis ainda não chegaram da Oca, aquela loja chiquérrima porém pouco pontual, e que estamos atendendo provisoriamente aqui mesmo, no teto do edifício do teatro, que outros irresponsáveis também ainda não terminaram.

Acertado o encontro para o dia seguinte, eu e Ronaldo já nos encontrávamos nas nossas instalações, Ronaldo olhava o mar, do alto dos trezes andares, e propôs uma instigante questão:

– Miele, será que se eu soltar uma galinha daqui de cima, ela voa até a praia?

– Claro que não voa, Ronaldo. Galinha não voa essa distância e dessa altura. (Quatro quarteirões até a praia, vão prestando atenção.)

– Claro que voa, Miele. Galinha é pássaro, ave, sei lá.

– Não voa, Ronaldo.

– Claro que voa, porra.

Voa, não voa, aproxima-se o contra-regra do teatro, que tinha ido comprar cervejas.

Contra-regra:

– Com licença, chefia. Galinha voa, sim senhor. Eu já trabalhei em granja, e tô por dentro.

Ronaldo:

– Falei que voava, porra.

Miele:

– Não voa, Ronaldo. Esse contra-regra entende menos de galinha do que de teatro.

– Voa.

– Não voa.

– Aposto que voa.

– Tá legal. Vale cem pratas.

E mandamos o contra-regra até a esquina, para comprar uma galinha. Enquanto isso, chega o presidente da Air France, Joseph Halfin.

Nós já havíamos nos esquecido um pouco do encontro, em face do fascinante tema posto em questão. Nós o recebemos com toda fidalguia que marcava o comportamento Miele & Bôscoli. Monsieur Halfin era o único presidente da Air France em todo mundo que não era francês. Não era francês, mas era romeno, quer dizer, era europeu, culto e extremamente educado.

Ficou instantaneamente horrorizado com a chegada às nossas “instalações”, naquele elevador de obra com as grades de ferro, em companhia do crioulo descalço, com a lata de cimento na cabeça, que dividia a chegada com ele. Desceu do elevador, tentou tirar a poeira daquele terno caríssimo, aceitou com européia relutância o caixote que lhe foi oferecido para sentar, recusou avec elegance a cerveja e o café da térmica, e passamos a discutir o evento, profissionais que éramos do show business.

Enquanto nos detínhamos nos pormenores, Ronaldo recusando a passagem de primeira classe da Air France, explicando ao presidente da companhia que tinha horror de avião, chega o contra-regra com a galinha embrulhada num jornal, e faz um sinal de que tem de ser agora, porque vai escurecer.

Imediatamente, como era um assunto da maior seriedade, pedimos licença ao contratante:

– Monsieur, dá licença um minutinho que a gente vai até ali o parapeito e já volta.

Miele:

– Bom, Ronaldo, casa aí as cem pratas na mão do contra-regra, e joga a galinha.

– As cem pratas tão aqui. Mas joga você a galinha.

– Você que falou que voava. Joga a galinha, porra. Mas eu garanto que não voa.

– Voa.

– Não voa.

A essa altura, Monsieur Halfin não suportou a curiosidade e veio até o parapeito.

Ronaldo:

– Monsieur Halfin, há aqui uma aposta. O senhor acha que galinha voa ou não voa?

Monsieur Halfin (já antecipando a tragédia e razoavelmente preocupado):

– Não tenho a menor idéia, senhores. Mas acho que não voa.

– Tá vendo, Ronaldo. Joga, mas não voa.

Ronaldo:

– Não jogo. Mas voa.

Contra-regra:

– Deixa que eu jogo.

Não voava.

A galinha tentou um vôo de mais ou menos um metro para a frente do parapeito, veio de volta para o andar de baixo, deu azar, pois a janela estava fechada, com aquele vidro com o “x” traçado a cal.

Voar, não voou, mas deu um mergulho fatal até a marquise, sob os aplausos dos operários, que não contavam com aquela canja inesperada. A não ser, talvez, o contra-regra, que mentiu, porque já sabia da autonomia de vôo da pobre galinha, e queria mesmo era comê-la.

– Falei que não voava, Ronaldo, passa as cem pratas.”

E completamente alienados daquela selvageria, convidamos Mousieur Halfin a voltar aos nossos caixotes para continuarmos nossa negociação (ele, um tanto ofegante e pálido, reconheço), até o dia seguinte, mas, de qualquer maneira, recebi uma passagem para São Paulo e fui até lá para os últimos detalhes.

Na chegada ao elegante edifício da rua São Luiz, toda diferença do primeiro encontro. O elevador exclusivo da presidência, a recepcionista que me conduziu ao elegantíssimo escritório com a foto do Arco do Triunfo atrás da mesa presidencial, o gentil oferecimento de champagne (por mim recusado, já que ele também não havia aceitado o café e a cerveja).

E um novo diálogo.

Mousieur Halfin:

– Senhor Miele, o senhor tem pressa?

Miele:

– Absolutamente. Estou em São Paulo às suas ordens, só para tratar do show do Moliére.

– Ótimo.

No interfone:

– Monique, faça, por favor, entrar o Mr. Thompson.

Entra um senhor muito mais elegante do que ele.

Mousieur Halfin:

– Senhor Miele, este é meu amigo, Mr. William Thompson, presidente do Banco da Inglaterra. Peço que o senhor repita para ele a história da galinha, pois, durante o nosso jantar de ontem, ele me chamou de mentiroso, dizendo que era impossível que aquilo pudesse ter acontecido durante uma reunião sobre o espetáculo do prêmio mais importante do teatro brasileiro.

Bem a história aconteceu, o show também, e foi um enorme sucesso.

Creio que Joseph Halfin acreditou que aquela insanidade fizesse parte do processo criativo dos brasileiros e levou em consideração apenas o nosso trabalho. Tanto que eu permaneci como o mestre-de-cerimônias do prêmio Moliére por mais de 10 anos.

Mas sem a galinha.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here