Estripulias sexuais ao longo da História

2

Por Gilberto Almeida

Sexo é mais antigo do que andar pra frente, mas ainda assim tem muita gente jurando que nunca se fornicou tanto, se fez tanta putaria, se chupou tanto bagaço de laranja, se escorregou tanto na maionese quanto nesses tempos pós-modernos… Confira alguns registros históricos que servirão para provar que o nosso conhecimento é apenas contemporâneo e que os antigos sabiam desses jogos amorosos tanto quanto ou mais que nós, meros mortais de um século fadado ao fracasso, onde até cantada dá cadeia.

TUDO PELO TESÃO – O imperador Tibério tinha uma ilha, como lugar próprio para orgias. Quando começou a sentir o peso da idade, o monarca romano levava grupos de moças e rapazes para trepar num imenso salão. As cenas deveriam despertar o vulcão adormecido no geriatra, porque ele gostava de olhar bem de perto e de acariciar os rapazes e as menininhas. Quando ficava com tesão, ele então comia a bunda dos soldados romanos de sua guarda particular. Depois, era enrabado por eles e gozava aos berros.

MUITO DAQUILO – Alexandre, o Grande, um dos maiores reis da Antiguidade, morreu de esgotamento físico em 323 AC, aos 32 anos, supostamente de tanto trepar. Ou de uma sífilis não curada, o que é bem mais provável.

BRINQUEDO ANTIGO – O arqueólogo inglês Timothy Taylor defendeu a tese de que o sexo na Pré-história não tinha por finalidade só a reprodução, mas principalmente o prazer. Sua afirmação tem como base objetos paleolíticos que apresentam, por exemplo, figuras de mulheres se masturbando ou dois pênis esculpidos em pedras, muito semelhantes aos atuais vibradores. E ainda hoje há quem diga que isso não tem utilidade.

TAMANHO CHINÊS – Os chineses de antes de Cristo já se preocupavam com o tamanho do pênis. Algas marinhas misturadas com extrato de fígado de cachorro branco, aplicadas três vezes ao dia, aumentavam o tamanho do pênis em três polegadas, o equivalente a seis centímetros.

FAVOR DIVINO – Na alta antiguidade e em algumas civilizações não era permitido ao marido deflorar sua esposa. Na Idade Média, era comum os padres e nobres resolverem esse problema, comendo pela primeira vez a mulher do próximo. Ave Maria!

SUBIU, CANTOU – Durante o século XI surgiu a punição através do canto de salmos penitenciais. O homem que tivesse ejaculação noturna deveria levantar-se em seguida e entoar sete salmos. E durma-se com um barulho desses…

UMA POR HORA – Cerca de um século depois de Cleópatra, Messalina se tornou a grande ninfomaníaca de seu tempo. A esposa do imperador romano Cláudio converteu-se, durantes as ausências de seu marido nas guerras, na mais notória prostituta de Roma. Há registro, inclusive, de uma prova de tesão disputada entre Messalina e outra fogosa da época. Messalina venceu, pois fornicou 25 vezes no espaço de 24 horas.

REZA NO COLCHÃO – Em 567 DC, o Concílio de Tours decidiu que dois padres não poderiam dormir na mesma cama. Entenderam que a ocasião é que faz o ladrão…

LUXÚRIA ATÉ O FIM – A rainha Zíngua, no século XVII, em Angola, mantinha grandes haréns de homens. Às vezes organizava batalhas de morte entre os guerreiros, sendo que o vencedor adquiria o direito de levá-la pra cama. Algumas vezes fazia amor com um homem durante uma noite inteira, para na manhã seguinte ordenar sua morte. A rainha Zíngua continuou sua sangrenta luxúria sexual até os 77 anos, quando se converteu ao catolicismo e parou de fornicar. Mas, pô, quem ainda iria querer comer aquele bagulho?…

COMEDOR DA CORTE – Documentos recentemente descobertos na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro dão provas definitivas de que D. Pedro II era mesmo um dos bons de cama da corte. A pesquisa mostra cartas, bilhetes, fotografias e confirma que ele chegou a conviver com cinco diferentes amantes ao mesmo tempo, enquanto estava casado com Dona Theresa Cristina Maria. Considerava-a manca, vesga, gorda e baixinha. Incomestível, como diria um ex-ministro.

BICHA VELHA – A descoberta de uma múmia nos Alpes austríacos, em 1991, com idade estimada em 5 mil anos, chamou a atenção pelo seu reduzido pênis e resquícios de sêmen em seu reto. De repente, os pesquisadores se deram conta que estavam diante do primeiro ancestral gay de que se tem notícia. Uia!

PORCO SEGURO – Numa antiga mina de sal de Hallsteins, na Áustria, foi encontrado um preservativo com data estimada de 2.500 anos. A descoberta é dos pesquisadores alemães da Universidade de Marbugo. Eles identificaram como bexiga de porco o material utilizado na confecção da camisinha.

GRANDE E GULOSA – Catarina, a Grande, quando se casou com Pedro III, escandalizou a corte russa com sua sexualidade insaciável. Confessou publicamente que mantinha relações sexuais seis vezes ao dia e ainda possuía 21 amantes “oficiais”. Os historiadores afirmam que o número de amantes “não oficiais” passava de 100. A czarina russa era do ramo…

MÚSCULOS MILAGROSOS – Lola Montez (a gatinha da foto), uma bailarina anglo-irlandesa, aventureira e cortesã, descobriu bem cedo que podia satisfazer seus desejos sexuais ao mesmo tempo em que vendia seu corpo por uma fortuna. Ela teve três maridos e entre seus inumeráveis amantes estiveram Franz Liszt e Alexandre Dumas, o pai. Mesmo sendo do tipo “pegue e pague”, Lola recusou-se a fornicar com o vice-rei da Polônia, porque ele usava perereca e queria lhe beijar na boca! Lola chegou a ser amante do rei Luís I, da Bavária, que a presenteou com os títulos de baronesa e condessa, porque “ela podia fazer milagres com os músculos de suas partes íntimas”, dizia. A bailarina foi uma das primeiras cortesãs da época a ter seu “bezerro premiado em exposição” elogiado publicamente em todas as cortes europeias.

2 COMMENTS

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here