Dicionário de Cearês – Letra C (Parte 2)

0

Por Marcus Gadelha

Ceroto – Sujeira preta nas dobras da pele.

Cevado – Gordo.

Chá de goma – Santo remédio para diarreia.

Chaboque – Tampo, porção de matéria. “Chico deu uma topada que tiro chaboque do dedão”.

Chacoca – Chacota, provocação.

Chafurdada – Mulher sambada, usada sexualmente por muitos.

Chamar o Gabriel (ou Raul) – Vomitar.

Chamar o Hugo – Engulhar.

Chapa – 1. Radiografia. 2. Dentadura. 3. Fotografia. 4. Companheiro, amigo, referência à chapa eleitoral.

Chapeado – 1. Carreteiro. 2. Carregador de peso.

Chapéu de couro – Chifre.

Chapuleta – Glande, cabeça do pênis. Chapeleta.

Chapuletada – Pancada.

Chatô – Puteiro, casa de massagem. Do francês “chateau”.

Chatonildo – Sujeito chato pra caraio. Álvaro Lins costumava dizer que chato é aquele cara que você cumprimenta – Como é que vai? – aí ele senta e conta.

Chato – 1. Piolho que só dá nos pentelhos. 2. Pessoa que dá no saco.

Chega cumade! – Socorro, comadre, me acuda!

Chegadim – Cascalho ou Jogadinha. Tipo de biscoito fininho em forma de leque ou cone. É costume do vendedor tocar um triângulo para chamar a atenção.

Chegue – Vem cá.

Chei de dedo – Encabulado, sem saber onde pôr as mãos.

Chei dos pau – Bêbado.

Cheire meu cuzim – 1. É a expressão cearense equivalente á americana “kiss my ass”. 2. Prece silenciosa dita pelas mães para evitar mau olhado para os bebês.

Cheiro verde – Coentro, chicória e cebolinha.

Chibata – 1. Pênis grande. 2. Lugar. “Sou eu quem manda nessa chibata”. 3. Maioral. “Aquele cara é o chibata do bairro”.

Chibatosan no cujenol – santo remédio para pessoas mau humoradas ou cheias de frescuras e de “não me toques”.

Chinela – Chinelo.

Chinelar – 1. Transar. 2. Dirigir em alta velocidade.

Chinin – 1. Parte pudenda da mulher. 2. Órgão sexual feminino: caranguejeira, concha, chereca, bacorinha, bussanha, brecha, borbulhinha, escova, aranha, caverna, canoinha, perereca, perseguida, coisa, passarinha, desejada, engole cobra, capô de fusca, caixinha papuda, bichana, racha, chiranha, talho, chirinha, Bombril, xoxota.

Chiquerador – Chiqueirador, pequeno chicote de couro.

Chispa! – Cai fora daqui!

Chorão – Cabra que vive se lamentando da vida sem motivo.

Chulipa – Tapa na orelha, com um dedo, no sentido vertical. Cachuleta.

Chupa-sangue – Parasita. Diz-se do jogador que não se esforça ganhar a partida.

Cibazol – Coisa sem valor. Não vale um cibazol. Não vale nada. Pessoa imprestável.

Ciço – Otário, mané, chato.

Cigarro a retalho – Venda de cigarro no varejo, menos de um maço.

Coalho – Pedaço do estômago de um ruminante usado para fazer o leite, para em seguida fazer o queijo.

Cobreira – Ferida progressiva em forma de serpente, que, segundo dizem, quando emenda as pontas o paciente morre.

Coca-cola – Menina que saía com os americanos durante a segunda guerra.

Cocó – 1. Nome de um grande parque ecológico de Fortaleza. 2. Penteado feminino, que consiste em enrodilhar os cabelos no alto da cabeça. Também chamado de pirote, birote, pito, pitote, pericote, totó.

Coco com rapadura – Uma das melhores combinações culinárias ao lado de café com leite, pão com manteiga, queijo com goiabada, melão com presunto e mamão com açúcar.

Coco-babão – Catolé. Fruto de uma palmeira muito abundante na região. Tem este nome porque o gado quando come saliva muito.

Cocorote – cascudo. Golpe na cabeça com o nó do dedo médio.

Corote – Cachaça, pinga, cana.

Coiçá – dar coices.

Coió – Assobio característico que se emite para uma mulher como provocação amorosa.

Coisa – Maconha, diamba, jererê.

Coisar – Verbo multifacetado utilizado na falat de uma palavra mais apropriada. “Êi, menina! Tu coisou o sapato do teu pai?”

Coisêro – Maconheiro.

Colchão de moça – Tipo de doce de coco com duas camadas.

Colega – Galinha. “O que tem pro almoço?” “Colega!”

Colorau – Pó vermelho feito com urucum para dar cor á comida. Muito utilizado na culinária cearense.

Com gosto de gás – Com empolgação, com todo o gás.

Combinação – Roupa íntima feminina, constituída de saia e corpete numa só peça.

Come com farinha – Bebe muito. “E ele bebe?” “Não, come com farinha!”

Comédia – 1. Programa divertido. “Hoje nós vamos pras comédias”. 2. Gaiato, brincalhão, divertido. “O Chico Bento é a maior comédia!”

Comendo carne de pavão – 1. Com a bunda grande. “parece que tá comendo carne de pavão!” 2. Quando uma pessoa adivinha o pensamento da outra.

Como inté o caroço – 1. Como todas. 2. De todas as maneiras.

Conga – Tênis.

Considera aí! – Consiga pra mim! Me dê!

Considere o matuto! – 1. Dê um jeitinho. 2. Quebre o galho.

Contador – Medidor de energia elétrica.

Corda – Varal.

Cordão – Barbante.

Côrralinda – Coisa linda. Pessoa bonita.

Corre dental – Corre dentro. Vem brigar.

Correr frouxo – Ter em abundância. “Ali o dinheiro corre frouxo”.

Corrupio – 1. Rodopio. 2. Brinquedo de criança feito com tampa de garrafa amassada em forma de lâmina circular com dois furos no centro e um cordão para fazê-lo girar.

Corso – carnaval de mela-mela.

Cortando aço – Torando aço. Com muito medo.

Cortar o rabo – Fumar maconha pela primeira vez.

Cosca – Cócegas.

Cotoco – Gesto de “foda-se!” feito com o dedo médio em riste e o indicador e anelar abaixados, imitando um pênis ereto.

Couro de jia – Tem couro de jia os raríssimos cearenses que não sentem frio no inverno de Sampa. Jia é rã.

Couro de pica – Algo que vai e volta. “Esse namoro é que nem couro de pica”.

Coxia – 1. Sarjeta. 2. Ponta de cigarro, guimba.

Creuza – Bicha. “Ai, Creuza!”

Criação – Pequenos mamíferos criados em casa: bode, porco, carneiro, etc. “Como de tudo menos caça e criação”.

Criar – Aparecer. “Tô criando cabelo branco”.

Criatura – Modo de tratamento muito usado. “Espere por mim, criatura!”

Crica – Menina. Guria. Pré-adolescente.

Cricri – Pessoa muito chata. Dizem que o cricri é o chato que dá no saco do chato – pequeno aracnídeo que se prolifera nos pelos do saco e coça pra caralho.

Cruzeta – 1. Cabide para camisas e calças, com formato triangular e gancho no topo. 2. Negócio combinado. “Vamos fazer uma cruzeta nessa concorrência?”

Cu chupando limão – Pessoa muito feia. “Parece um cu chupando limão”.

Cu de cana – Cachaceiro.

Cu de cobra – baixinho.

Cu de grude – Seboso, pegajoso.

Cu de touro – Pessoa de cara trancada, muito séria.

Cu doce – Pessoa metida a besta e cheia de “não me toques”.

Cubar – Observar um lugar com a intenção de roubar.

Cucuruto – Cocuruto. Topo da cabeça.

Cuma é? – Como é? O que qui tu disse?

Cumelão – garanhão.

Cunhã – Empregada doméstica.

Cunhão – Colhão, testículo.

Cunzinha – Cozinha.

Cupim – Ninfomaníaca. Como se sabe, cupim é doido por madeira e não pode ver pau.

Curisco – Gente muito magra. “Só o cu e um risco”.

Curral – Zona do meretrício.

Curriola – Turma de amigos.

Cururu têi têi – Gente chata que mesmo enxotada sempre volta para encher o saco.

Cuspindo bala – De ressaca. Devido á desidratação, o indivíduo fica com o cuspe grosso. “Tô cuspindo bala!”.

Custar – Demorar. “O ônibus está custando muito”.

Cutruvia – quenga, puta, rapariga, prostituta, messalina, rameira, decaída, cortesã, andorinha, bagageira, biscateira, bruaca, cadela, catarina, catraia, dadeira, fuampa, fulana, fadista, gança, jereba, madama, mariposa, moça-dama, mulher-à-toa, mulher-dama, mulher da rua, mulher da vida, mulher da zona, mulher de má nota, mulher de ponta de rua, mulher do mundo, mulher errada, mulher perdida, mulher pública, mulher vadia, mundana, perua, perdida, piranha, vigarista.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here