As Alegrias Eternas

0
Jardins da Praça da Polícia Fonte: Postal de Alain Coix (França) Coleção: Jorge Herrán

Por Jefferson Peres

“A thing of beauty is a joy forever”, dizia Keats. Só depois de adulto pude compreender toda a verdade contida nesses versos do grande poeta inglês. Realmente, uma coisa bela, por fugaz que seja, fica retida na memória, com um gosto de eternidade, pois nos acompanha pela vida afora, a nos alegrar para sempre.

Hoje, transcorridas algumas décadas, ainda trago vivas comigo as imagens de algumas das mulheres que povoaram os anos da minha adolescência. E foram muitas. Pode-se dizer, sem bairrismo nem saudosismo, que Manaus era uma cidade de moças bonitas, considerando o tamanho da população.

Não me refiro apenas a garotas de beleza comum, com um rosto agradável e um corpo bem-feito, como tantas que encontramos no dia-dia. Falo das mulheres excepcionais, que, além da beleza física, são dotadas, também, por uma prodigalidade da natureza, de elegância, graça, personalidade e charme.

Conheci pelo menos uma dúzia delas. Com nenhuma cheguei a manter qualquer relacionamento mais estreito, até pela diferença de idade, eu, um garoto reservado e tímido, elas, moças feitas, de uma presença esmagante, a me causar aquele alumbramento que só aumentava a minha timidez.

Com algumas tive rápidos contatos, com outras nunca falei, e houve aquelas que apenas pude ver por momentos. Mas de todos guardo uma lembrança inapagável. Às vezes chego a me perguntar se, decorridos tantos anos, essas imagens não seriam algo irreais, porque favorecidas pela filtragem do tempo.

Mas logo afasto a idéia e me livro das dúvidas, quando percebo que elas não me apareceram de repente, por um esforço de memória, mas são uma constante, gravadas com nitidez em minha mente. Devem mesmo ter sido como eu as vejo agora.

As outras que me perdoem, mas na galeria dos vultos femininos do passado a que presto culto, um lugar especial é reservado à figura de Maria Amália Ferreira. Dos homens da minha geração, muitos poucos terão escapados ao seu fascínio. Como já disse Thiago de Mello, não há como fugir ao chavão: ela marcou época.

Parece que a estou vendo, ainda hoje. Alta, esbelta, cabelos alourados, olhos claros, os lábios repuxados nos cantos, numa expressão irônica e sensual. Mais do que tudo, porém, o andar lhe imprimia a marca inconfundível. Balouçante, gingado, numa cadência graciosa, mas natural, sem nenhuma afetação, presumo que era assim o passo da moça ipanemense imortalizada por Vinícius na canção famosa.

De longe se podia identificá-la, e, quando isso acontecia, a notícia se espalhava com rapidez de fogo em rastilho: lá vem a Maria Amália! E logo a Eduardo Ribeiro se transformava numa vasta passarela, com o público masculino ansioso, na expectativa de ver a deusa passar.

As conversas nas rodas silenciavam, balconistas assomavam às portas das lojas, transeuntes se voltavam, alguns mais afoitos lhe diziam galanteios, e ela passava, indiferente e altiva, mas sem arrogância, com a tranquilidade de uma rainha com direito à homenagem dos súditos.

Incluí-me desde muito cedo em sua corte de admiradores, quando fomos quase vizinhos, na Rua Dr. Moreira, eu ainda menino e ela ainda sem grande notoriedade. Morava com seu pai, o velho Benjamim Ferreira, a madrasta e duas irmãs, numa bela casa antiga, onde funcionou a Pensão Rio Negro, no meio do quarteirão entre a José Paranaguá e a Quintino Bocaiúva.

Depois foi residir, com a família, na casa da Rua 24 de Maio, entre a Costa Azevedo e a Barroso, que tinha sido um escritório da RDC, e era precisamente de lá que saía para desfilar em sua passarela habitual.

Nunca mantive contato com Maria Amália. Simplesmente não apareceu a oportunidade e tive de me conformar com a contemplação distante e silenciosa. Mas sei por informações de terceiros que a personalidade não dissentia do físico. Era educada, alegre, inteligente e dotada de um talento artístico que foi sufocado no nascedouro, graças a um episódio infeliz.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here