A invasão ianque nos anos 40

0
Beneficiamento de borracha 1904-1905 Fonte: Carmélia Esteves de Castro Coleção Jorge Herrán

Por Jefferson Peres

Depois, os torpedeamentos, ao virarem rotina, deixaram causar emoção. Mas passaram a incomodar a todos, na medida em que a interrupção do suprimento regular privava a população, com frequência, de gêneros essenciais. Toda vez que era afundado um navio com grande carregamento de determinado produto, o mesmo escasseava ou desaparecia totalmente durante semanas. Estabelecia-se o racionamento, com a distribuição de cupons, e formavam-se filas imensas para a aquisição da mercadoria. Ou então apelava-se para o mercado negro, pagando preço muito mais elevado.

Às vezes o desaparecimento era total e tínhamos de recorrer aos sucedâneos. Perdi a conta das ocasiões em que, à falta de café, tomamos chá-mate ou preto; em lugar de pão, comemos batata-doce, cará ou macaxeira; e não raro, adoçamos o café ou o chá com sacarina, pela absoluta impossibilidade de encontrar açúcar. Suplício maior era o dos fumantes, privados durante meses dos cigarros da Souza Cruz, como o Elmo, o Astória, o Continental e o Hollywood, substituídos pelo mata-ratos de fabricação local, especialmente o Princesa e o Duquesa, que nada tinham de aristocráticos, com o seu tabaco escuro e de gosto intragável.

Ao desconforto da falta de gêneros somava-se o temor fantasioso de possíveis ataques aéreos alemães. Foi levado tão a sério por alguns, que se organizou uma Liga de Defesa Passiva Anti-aérea, com voluntários de capacetes e braçadeiras, que instruíam a população sobre o que fazer em caso de bombardeio. Distribuíam-se os folhetos recomendados abrigar-se em porões ou atirar-se ao chão, se surpreendidos na rua e ensinando a prática dos primeiros socorros.

Realizaram-se também exercícios de blackouts, com a cidade completamente às escuras, porque nos cômodos em que as luzes permaneciam acesas as janelas eram veladas por grossos panos improvisados de cortinas. Ainda hoje me pergunto, ao recordar esses fatos, como alguém poderia acreditar que os Heinkels e Junkers da Luftwaffe, com sua pequena autonomia de voo, um dia atravessariam o Atlântico para despejar bombas sobre Manaus.

De parte das autoridades talvez visasse ao efeito psicológico, a fim de manter mobilizada a população. Que, aliás, sempre demonstrou um grande fervor patriótico, como ocorreu na campanha do ferro-velho, à qual se engajaram milhares de crianças, jovens e adultos, em resposta ao apelo para que se ajudasse o esforço de guerra dos Aliados.

Andávamos aos bandos, vasculhando quintais, terrenos baldios e covões, em busca de pedaços de ferro usados. Reuniram-se quantidades imensas, acumuladas em diferentes lugares, como a rampa de acesso à Catedral e a Rua Barcelos, ao lado do Cine Popular, depois removidos não sei para onde. Até hoje ignoro se toda aquela sucata foi parar realmente nas siderúrgicas de Pittsburgh ou se foi atirada em algum depósito, inútil, até que a ferrugem a consumisse.

Nesse mesmo ano ocorreu a ruidosa invasão ianque. Com a ocupação dos seringais da Malásia e da Indonésia pelos japoneses, os Aliados se viram privados de suas principais fontes de borracha natural. Embora a produção de borracha sintética já fosse expressiva, o produto vegetal ainda era indispensável para a produção de artigos como pneumáticos de aviões. Tornava-se imperiosa, assim, a reabertura dos seringais da Amazônia.

Veio em seguida a assinatura dos famosos Acordos de Washington, que davam à borracha e outras matérias-primas garantia de preço fixo e compra de toda a produção pelo governo americano que se comprometia, ainda, a dispensar amplo apoio técnico e financeiro para aumentar a oferta desses produtos.

Em consequência, foi mobilizado um enorme aparato de agências americanas e brasileiras, que logo se instalaram em Manaus e Belém. Entre elas, o Banco da Borracha (atual BASA), o Serviço Especial de Saúde Pública e a Rubber Reserve (depois, Rubber Development Corporation). O primeiro, obviamente, para assegurar o indispensável suprimento de crédito; o segundo, para promover o saneamento da região; e a última, como dizem os economistas, para emprestar apoio logístico aos seringais.

Com isso, a economia do Estado venceu a inércia, ganhando novo impulso, e quebrou-se a rotina da cidade. Estava iniciada a Batalha da Borracha, que não pretendo, aqui, avaliar, porque tal avaliação fugiria inteiramente aos propósitos deste livro.

A primeira novidade foi a presença dos Catalinas, os primeiros aviões anfíbios que conhecíamos, ideais para as condições da região. Os cargueiros aquatizavam na ilha de Monte Cristo, onde a RDC instalou um grande terminal de carga. Lá, eram guinchados para a terra, recebiam o carregamento de borracha, depois manobravam para a água, de onde decolavam rumo a Miami.

Os aviões de passageiros e militares utilizavam o aeroporto de Ponta Pelada, pioneiro no Estado, construído em semanas pelos americanos, com sua costumeira eficiência. Dotado de uma estação de passageiros de madeira, modesta, mas confortável, passou a ser visitado como uma curiosidade pela população, habituada, até então, aos velhos hidroaviões da Panair, que atracavam no cais de cimento baixo, à esquerda do roadway.

Depois da guerra, a Panair incorporou os Catalinas, que serviram à região durante muitos anos, em suas linhas comerciais. Tal como aconteceria com a pequena frota de navios flutuantes trazida igualmente pelos americanos. Lembro-me bem de três grandes, o Cambridge, o Vírginia Lee e o State of Delaware, e outro de menor porte, o Cel. James Moss, empregados no transporte de cargas e passageiros, também incorporados, no pós-guerra, com outros nomes, ao acervo da SNAAPP. Foi um reforço à navegação regional, servida em grande parte por uma frota envelhecida de vaticanos, gaiolas e chatas.

Com eles vieram, também, transportadas por navio, creio, as pesadas máquinas de construção rodoviária, usadas inicialmente na abertura da pista do aeroporto e, mais tarde, cedidas à prefeitura para obras de terraplanagem em vários pontos da cidade, como a Avenida Getúlio Vargas, que teve finalmente aterrado o covão usado como lixeira. Ficávamos durante horas contemplando as evoluções de tratores e bulldozers que, manejados habilmente pelos tratoristas, movimentavam enormes volumes de terra e avançavam como monstros rugidores em direção ao abismo, onde nunca despencavam.

Mais curiosidade, porém, despertavam os próprios americanos. Acompanhávamos fascinados aqueles grupos de gringos altos, brancos, corados, de olhos azuis, falando uma língua completamente desconhecida para nós, meninos, e para quase toda a população. Porque só a partir daí começou entre nós a mania de falar inglês. Quando nada, aprendíamos logo a dizer give me a cigarrete, na esperança de ganharmos um Lucky Strike, um Camel, um Chesterfield ou um Philip Morris, disputadíssimos pelo seu gosto suave e cheiro agradável e que se tornavam especialmente preciosos nos períodos de falta de produto nacional.

Os amazonenses que trabalhavam na RDC chegavam a dominar tão bem o inglês que alguns, por esnobação, passavam a falar o português com sotaque. Dizem mesmo que certo cidadão bastante conhecido na cidade, vestindo roupa cáqui, capacete de explorador na cabeça, à semelhança de muitos americanos, pegou um bonde e dirigiu-se ao motorneiro, perguntando: Ó seo condutor, o senhorr sabe me dizerr onde ficarr avenida Joaquim Nabuco? Ao que o motorneiro, medindo a figura de alto a baixo, fuzilou: Ora, fulano, vai à merda!

Mas conquanto nem todos os manifestassem esse fanatismo, pode-se dizer que os americanos foram acolhidos com simpatia pela população. Geralmente bem-humorados e extrovertidos, chocavam apenas os mais velhos pela sua irreverência, como, por exemplo, ao se refestelarem nas cadeiras dos bares com os pés apoiados sobre as mesas. Em compensação, graças ao seu alto nível de renda, podiam dar-se o luxo da generosidade. Não apenas os garotos os cercavam na busca de cigarros e barras de chocolate. Também os garçons disputavam o privilégio de atendê-los, de olho nas elevadas gorjetas, que davam espontaneamente, num tempo em que ainda não se instituíra a obrigatoriedade dos 10%.

Outras que se encarniçavam para serem contratadas pelos gringos eram empregadas domésticas, atraídas por ofertas de salários irresistíveis, especialmente se considerarmos que a grande maioria não recebia salário algum nas casas em que trabalhavam. Da mesma forma, as lavadeiras tiveram seus serviços muito valorizados. Assim como os proprietários de imóveis se lançaram numa corrida para alugá-los aos ianques por preços duas a três vezes superior aos praticados no mercado local. Felizmente para a classe média, o número de americanos era relativamente pequeno, e sua permanência não ultrapassou três anos. Do contrário, a mini-inflação que provocaram teria desestabilizado seriamente seus limitados orçamentos.

Sucesso também causaram algumas de suas mulheres. Pois nem todas eram coroas vermelhonas e sardentas, campeãs de deselegância com seus vestidos de cores berrantes e seus sapatões de solas de borracha. Havia umas poucas que entusiasmavam não apenas pela beleza, mas também pela indiferença com que exibiam seus encantos. Nas ruas andavam apenas com o vestido sobre o corpo nu, em casa ficavam inteiramente peladas, sem ter sequer a preocupação de fechar as janelas.

Lembro que um grupo delas, residente numa casa de sótão, ainda hoje existente, na Rua 10 de Julho, entre a Epaminondas e a Ferreira Pena, desfilava tranquilamente sua nudez, no alto do mirante. E quando rapaziadas, ansiosa, se atropelava nos telhados vizinhos, para observá-las, ainda ganhavam das ladies godivas adeusinhos de gozação.

Segundo versões correntes, que não pude confirmar, essas moças figuravam nas folhas de pagamento da RDV como secretárias, mas seriam na verdade profissionais do sexo, contratadas para amenizar a vida dos executivos e técnicos, em seu exílio numa distante região tropical. Faria parte de uma política destinada a reduzir, quando o possível, o envolvimento com as nativas, evitando problemas com a comunidade.

A partir de 1945, ao término da guerra, a RDC foi desativando seus serviços paulatinamente e a presença dos americanos se fez cada vez menos ostensivas, até cessar completamente.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here