A cobra-grande do Bumbá Garantido

0

Fevereiro de 2002. Com o tema “Amazonas, este desconhecido – delírios e verdades do Eldorado verde”, o GRES Portela fez a arquibancada da Marquês de Sapucaí delirar ao levar para a avenida aquela que é considerada a águia mais bonita de sua história.

Criada pelo artista parintinense Jair Mendes, a águia, caracterizada com as cores do gavião-real e exibindo movimentos extremamente realistas, surgiu encarapitada no topo de um imenso guindaste do carro abre-alas, sobrevoando os rios e matas da Amazônia e soltando seu potente grito de guerra, misturado ao som ambiente da floresta.

Por alguns minutos, o povo nas arquibancadas acompanhou extasiado o voo da escultura, que parecia estar viva. A imensa ave batia suas asas e mexia o bico, movimentando-se para todos os lados da avenida. A entrada da Portela, além de triunfal, fez o público aplaudir de pé.

À frente da águia, havia a inscrição “Portela”, em néon, também em letras gigantescas. A letra “t” da inscrição estava presa nas garras da águia por um fio de aço praticamente invisível. A cunhã-poranga do boi Caprichoso, Jeane Benoliel, na flor dos seus 17 anos, que vinha como destaque na referida letra, acompanhou a águia em seus longos voos pela avenida. Com a índia nas alturas, a inscrição tornava-se “Por ela”, um pedido pela preservação da floresta. Coisa de gênio.

Duas décadas antes, em 1982, o gênio Jair Mendes já estava começando a mostrar que, em se tratando dos bumbás de Parintins, a imaginação não tem limites. Responsável pelas alegorias do Garantido, ele resolveu levar para o tablado do estádio Tupy Cantanhede (onde, na época, era realizado o festival) a encenação da lenda da cobra-grande.

O artista cantou a pedra: a tal cobra-grande ia engolir uma tribo inteira de índios, na frente de todo mundo, e depois sair da arena como se nada tivesse ocorrido. Os artesãos do bumbá Caprichoso ficaram com uma pulga atrás da orelha.

Como aquela façanha nunca tinha sido realizada antes, a história da cobra-grande virou o assunto favorito das conversas na cidade. Se Jair Mendes cumprisse o prometido, o bumbá Garantido já podia comemorar o título por antecipação.

O truque era simples, mas extremamente criativo. Percebendo que o tablado de madeira ficava a um metro e meio do solo, Jair Mendes providenciou um alçapão no assoalho. À medida que os índios fossem sendo engolidos, eles deslizariam pela barriga da cobra, cujo rabo estaria sobre o alçapão. Aí, era só abrir um fecho éclair no rabo do ofídio, levantar a tampa do alçapão e se escafeder por baixo do tablado. Com o resto do estádio no escuro, a plateia ia ficar boquiaberta com o “sumiço” dos índios no tablado iluminado. Seria uma façanha digna do ilusionista David Blaines.

Apesar de o truque ser tratado como segredo de estado na seara do Garantido, algum coiote da pata branca contou a história para o pessoal do Caprichoso, que, nessa noite, iria se apresentar antes do rival. Durante a apresentação do touro negro, o “miolo” da boneca-gigante Aurora parou em cima do alçapão e, enquanto o bumbá Caprichoso evoluía na arena, ele lacrou a “porteira” com mais de 50 pregos de três polegadas. A cantoria da Marujada de Guerra impediu a plateia de escutar as marteladas.

Sem saber do golpe baixo, a turma do Garantido entrou na arena para fazer sua apresentação. O ponto alto seria a encenação da lenda da cobra-grande. Quando aquela enorme anaconda de quase dez metros de comprimento por um metro de largura surgiu no tablado, ficou todo mundo com a respiração suspensa. A cobra era simplesmente magnífica. O próprio Jair Mendes estava dentro do ofídio, fazendo os movimentos que tornavam a alegoria extremamente realista.

Deslizando em ziguezague pelo tablado, a cobra-grande atacou uma aldeia indígena. Um a um, os índios Baniwa que tentaram enfrentar a fera foram sendo engolidos. Entretanto, como o alçapão de escape estava lacrado, eles foram se amontoando no bucho da cobra-grande, numa versão tropical de Jonas e a Baleia. Ao ver o corpo da cobra se alargando cada vez mais, Jair Mendes começou a ficar nervoso.

A cobra já estava para explodir, mas a fila de índios não parava de crescer, porque os índios Kaxinawá vieram ajudar seus amigos Baniwa e também começaram a ser devorados. Dentro da cobra, o sufoco era total. Submersos pela maré humana, os três moleques, que auxiliavam Jair Mendes na movimentação do ofídio, abandonaram a função. A cobra ficou estática, como se estivesse “jiboiando”, enquanto no seu ventre a confusão aumentava.

Desesperado, Jair Mendes fez um sinal para o apresentador Paulinho Faria, avisando que alguma coisa tinha dado errado.

Rápido no gatilho, Paulinho tirou um coelho da cartola:

– Observem o que está acontecendo na arena, senhoras e senhores jurados! Depois de engolir 20 guerreiros Baniwa e 15 guerreiros Kaxinawá, a cobra-grande começou a passar mal! Ela está sofrendo de congestão! Ela está quase morrendo! Essa fera dos rios só não vai morrer se conseguir vomitar! Vamos ver se ela consegue…

Jair Mendes foi o primeiro a se jogar de dentro da cobra para o tablado, sendo seguido pelo restante dos índios. O apresentador não contou conversa:

– É incrível, senhoras e senhores, mas a cobra-grande começou a vomitar! Os Baniwa ou os Kaxinawá utilizaram alguma poção mágica no estômago da fera, para provocar sua indigestão! Observem bem, senhores! Os índios estão saindo são e salvos de dentro do monstro aquático! Que espetáculo maravilhoso o boi Garantido está apresentando na arena! Sensacional! Fantástico! Que coisa linda!

E um a um, os índios saíram de dentro do ofídio e foram embora.

Jair Mendes ficou tão injuriado com o desfecho inesperado do espetáculo, que passou uma semana andando com um serrote pelos quatro cantos da ilha para na primeira oportunidade cortar os chifres do bumbá Caprichoso.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here